credipronto-logo-blog

Principais indicadores econômicos do mercado: entenda quais são eles e por que você deve conhecer

 

Os indicadores econômicos de mercado são bastante importantes de serem conhecidos, tendo em vista que eles informam características centrais do contexto vivenciado pelas pessoas inseridas em uma realidade econômica. É preciso saber sobre o valor da sua moeda em comparação ao dólar, entender sobre inflação e juros, além de outros detalhes.

O cenário econômico da nossa contemporaneidade é bastante dinâmico, composto por índices e conceitos complexos e com alterações que se dão muito rapidamente. É bastante comum se sentir vulnerável ou impotente diante dessas situações que demandam domínio de conceitos e muita atenção.

Por isso, é importantíssimo entender conceitos básicos de indicadores econômicos, pois eles guiam a sua experiência no mercado contemporâneo com mais informação, segurança e previsibilidade dos fenômenos que os afetam direta ou indiretamente.

Trataremos, nas próximas linhas, de alguns conceitos principais, como Taxa Selic, IPCA, dólar, PIB, INPC, Taxa Referencial e IGP-M. São questões centrais na economia que guiam a atuação de qualquer investidor/empreendedor no Brasil. Prossiga para saber mais!

 

Quais são esses principais indicadores econômicos?

Acompanhar indicadores econômicos é crucial para garantir uma análise precisa e informada do cenário financeiro, sendo os indicadores econômicos elementos indispensáveis em qualquer planejamento que envolva a economia. Esses indicadores econômicos servem como uma bússola fundamental para formuladores de políticas, investidores, empresários e acadêmicos, permitindo uma compreensão mais profunda das tendências econômicas. Confira a seguir quais são esses principais indicadores econõmicos:

 

Taxa Selic

A Selic (Sistema Especial de Liquidação e Custódia) é a taxa básica de juros da economia, sendo utilizada para a realização de operações diárias e uma referência para todas as outras. A título de exemplo, veja que elas é usada para o cálculo dos juros nos casos de empréstimos para o Tesouro Direto, no caso de títulos públicos federais, entre outras questões.

As linhas de crédito disponíveis no mercado seguem a Taxa Selic como parâmetro, o que a caracteriza como um dos instrumentos da economia mais relevantes para o controle da inflação.

 

IPCA

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo ( IPCA ) é outro indicador de grande relevância no cenário econômico, sendo considerado o índice oficial de inflação do país. A partir dele, compreendemos o quão distorcido ou caro está ficando um produto vendido no mercado.

Assim, sempre que for estudar a inflação, será necessário passar pelo IPCA, pois ele indica a variabilidade e a fluidez dos preços de produtos e serviços. É um indicador central, pois permeia todas as relações comerciais presentes no mercado, influenciando a opinião do destinatário, ou seja, do consumidor, acerca dos preços dos produtos adquiridos.

 

Dólar

Os Estados Unidos da América se consolidaram, após o final da Segunda Guerra Mundial, como o país com a economia mais poderosa do mundo. Em razão disso, a sua moeda, o dólar, se tornou um parâmetro relevante para todas as demais economias, principalmente aquelas que têm uma estreita relação com os EUA, como o Brasil.

O valor do dólar regula todas as transações internacionais realizadas entre Brasil e EUA, definindo preços de produtos e serviços, influenciando alíquotas de taxas e de tributos sobre produtos importados, entre outras questões.

Quando o valor do dólar está muito alto, há um encarecimento de toda a cadeia de fornecimento de importados, dificultando a comercialização e o acesso a eles. Nesse sentido, é sempre muito importante estar atento ao valor de câmbio do dólar e a como ele influencia os produtos e os serviços presentes no comércio internacional.

 

PIB

O Produto Interno Bruto (PIB) é o principal indicar de riqueza de uma nação, pois demonstra o quanto de riqueza o povo daquela região produz, ou seja, o quanto vale economicamente aquele país.

O cálculo do PIB é realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) aqui no Brasil a partir da soma de todos os produtos e os serviços finais produzidos. Pode-se afirmar que ele é o termômetro da economia, pois quanto maior o PIB, maior a atividade econômica de uma nação.

É possível indicar o PIB nominal, o PIB real e o PIB per capita. O primeiro é calculado a partir dos preços e dos valores de um produto ou serviço quando eles foram produzidos. Já o segundo mensura o volume físico de um produto ou serviço, desconsiderando a inflação.

Por último, O PIB per capita é a divisão do valor total do PIB pelo número de habitantes de um país ou estado. O cálculo leva em conta a hipótese de que todas as pessoas possuem partes iguais no PIB, com uma distribuição de renda equilibrada. Em tese, quanto maior o PIB por pessoa, mais acesso a serviços ela tem e maior é a sua qualidade de vida.

 

INPC

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor ( INPC ) foi criado com o objetivo de corrigir o poder de compra das pessoas por meio da avaliação das variações de preços da cesta de consumo da parcela da população assalariada com rendimento mais baixo. É, assim, outro importante indicador econômico do mercado brasileiro, estando diretamente ligado ao consumo.

Trata-se de índice que tem como unidade de coleta estabelecimentos comerciais e de prestação de serviços, concessionárias de serviços públicos e internet, com uma extensão do dia 01 ao dia 30 do mês escolhido para a pesquisa.

 

Taxa Referencial

A Taxa Referencial (TR) foi criada para figurar como taxa de juros modelo, servindo como referência para a economia brasileira. É, assim, utilizada como índice de reajuste e calculada e divulgada pelo Banco Central do Brasil a partir dos dados das taxas de juros presentes nos CDBs (Certificados de Depósitos Bancários) presentes nas trinta maiores instituições bancárias. A partir disso, e valendo-se de alguns indicadores e cálculos relativamente complexos, chega-se à Taxa Referencial.

 

IGP-M

O Índice Geral de Preços do Mercado é calculado pela FGV (Fundação Getúlio Vargas), sendo muito utilizado para corrigir operações financeiras, algo bastante comum em um mercado cada vez mais globalizado como o nosso.

O conhecimento sobre os principais indicadores econômicos é um importante passo para chegar a uma boa performance e à inteligência nos negócios no mundo contemporâneo. As informações que eles trazem estão relacionadas de forma direta com o nosso poder de consumo, pois leva em conta a produção de riqueza, as variações em relação aos custos de produtos e serviços que circulam em nosso país, entre outros fatores.

Gostou das informações sobre os indicadores econômicos do mercado? Então, assine a nossa newsletter e receba diversos conteúdos de qualidade sobre este e outros temas da economia! Vem com a gente!

 

Conheça a CrediPronto

Há mais de 10 anos, a CrediPronto é uma empresa do Banco Itaú especialista em financiamento imobiliário. Estamos em todas as capitais do Brasil e já emitimos mais de 60.000 contratos.

Prezamos por um atendimento rápido, personalizado e prático. Tudo para você conseguir garantir o seu crédito e realizar o seu sonho logo.

  • Receba até 90% do valor do imóvel;
  • Pague em até 30 anos;
  • Receba sua análise de crédito em até 24 horas.

Faça a sua simulação agora e adquira o seu imóvel com o financiamento imobiliário da CrediPronto.

A CrediPronto é uma empresa intermediadora de financiamento imobiliário que foi criada pelo Itaú. Ao financiar com a CrediPronto você tem consultoria gratuita com profissionais especialistas, que vão acompanhar seu processo de perto do começo ao fim e te ajudar no que for necessário, além de outras vantagens.

Na CrediPronto, a taxa de juros padrão é a partir de 10,49% ao ano + TR. ________

O financiamento imobiliário CrediPronto é exclusivamente com o banco Itaú.

Você pode quitar o seu imóvel em até 35 anos (420 meses). Podendo também quitar antes.

Você pode financiar até 90% do valor do imóvel.

Tem o sonho da casa própria?

Financie até 90% do imóvel com taxa a partir de 10,49% ao ano+TR, podendo pagar em até 420 meses (35 anos).