Educação Financeira

Saiba como organizar as suas finanças para comprar um imóvel!

Ouça essa matéria!

A compra de um imóvel é uma grande conquista para qualquer pessoa. Ela exige capacidade de organizar as finanças por ser um investimento de médio ou de grande porte, principalmente se for utilizado um financiamento imobiliário.

Hoje, vamos refletir sobre isso e também apontar algumas dicas para ajudá-lo no planejamento financeiro para realizar esse objetivo. Acompanhe!

A importância de organizar as finanças para a compra do imóvel

Como todo investimento de grande porte, ao planejar a compra de um imóvel, alguns passos devem ser dados. O primeiro deles é pesquisar o valor do imóvel desejado e, a partir daí, traçar um caminho a ser seguido para ajustar o investimento à própria renda.

Muitas vezes, é preciso fazer poupança durante um certo tempo a fim de ter um montante inicial de dinheiro para solicitar financiamento junto a uma instituição bancária, por exemplo. Há também casos em que a compra à vista exige poupança, corte de despesas durante um tempo etc.

Esse planejamento, quando bem executado, é o que ajuda a evitar riscos e problemas financeiros. Por exemplo, ao saber exatamente qual é a parcela que se pode pagar em um financiamento, evita-se o endividamento e os juros do banco.

5 dicas para organizar finanças e comprar um imóvel

Organizar finanças pode não ser uma das tarefas mais simples, por isso, preparamos a seguir algumas dicas que poderão ajudá-lo!

1. Analise suas finanças e crie metas de poupança

Basicamente, é preciso ter em mãos uma planilha em que os gastos e ganhos (entradas e saídas) são discriminados. Em cima deles, calcular o quanto sobra mensalmente é muito importante.

A partir disso, é possível analisar quais custos podem ser cortados ou reduzidos, a fim de aumentar a margem do que pode ir para a “caixinha” ao final do mês.

É interessante também estabelecer um percentual da renda a ser poupado mês a mês. Também é indicado ter uma previsibilidade de qual é o período de poupança para se chegar ao valor ideal para a compra do imóvel (quantos anos, ou meses, é preciso poupar e qual o montante da poupança).

2. Verifique o que o mercado imobiliário está oferecendo

Também é muito interessante fazer pesquisas em imobiliárias e incorporadoras. Saber os valores que estão sendo praticados nos imóveis e também as condições de pagamentos (quais bancos financiam, quais as taxas etc.) é muito importante.

Converse com o gerente do banco, pois ele pode informar se há qualificação para um financiamento ou ainda pode indicar quais investimentos podem ser feitos para que o dinheiro poupado renda mais.

3. Estude a melhor forma de pagamento como o financiamento imobiliário

Com o dinheiro em mãos (ou a concessão de crédito para financiamento), é preciso analisar uma condição de pagamento. Basicamente, são 3 modalidades disponíveis: à vista, financiamento e consórcio imobiliário.

É fundamental verificar qual delas se encaixa melhor na realidade financeira. Para isso, a consultoria de um especialista em finanças também pode ser de grande utilidade (contador, gerente do banco, consultor imobiliário etc.).

4. Considere os gastos que vão além do valor do imóvel

Outro ponto a ser considerado é reservar dinheiro para fazer reformas ou decoração do imóvel, por exemplo. Também há gastos com cartório e impostos que precisam ser contabilizados.

5. Tenha atenção a alguns detalhes antes de fechar contrato

Por fim, ao decidir o imóvel a ser adquirido, é aconselhável passar um “pente fino” nas cláusulas contratuais para verificar detalhes como as taxas de juros e outras condições. O acompanhamento de um advogado ou consultor jurídico especializado pode fazer toda a diferença.

6. Avalie sua situação financeira

A compra de um bem envolve comprometimento financeiro, por isso, é muito importante avaliar como estão suas despesas e receitas.

Garanta que a parcela de um eventual financiamento não comprometa uma porcentagem significativa de seus ganhos, veja quais são as futuras despesas com as quais poderá ter que arcar e também provisione uma quantidade de dinheiro para elas.

7. Registre todos os seus gastos

Esse é um ótimo exercício para quem precisa avaliar as despesas que tem e quais delas poderiam ser evitadas.

A cada despesa realizada, registre para o controle. É possível fazer essas anotações em um caderninho ou em aplicativos.

Pequenos gastos passam despercebidos, mas quando são anotados e somados, demonstram sua grandeza nas finanças.

8. Poupe para dar uma boa entrada no financiamento

A entrada em um financiamento e em outras modalidades de crédito para aquisição de um bem é fundamental para abater os juros e também garantir que a parcelas seguintes sejam menores.

Por isso, poupe o máximo possível para que ela faça um abatimento considerável no valor total do financiamento.

9. Considere os gastos extras

compra de um imóvel também envolve despesas cartorárias, eventuais comissões, além de mudança, novos móveis e pequenas reformas.

Mapeie todos os gastos extras para saber o quanto efetivamente será necessário dispender para a realização do investimento.

10. Corte despesas desnecessárias

Depois de fazer o mapeamento das suas despesas diárias e também aquelas que serão necessárias para a aquisição do imóvel, avalie quais delas são realmente imprescindíveis para o momento.

Se uma reforma não é urgente, deixe para fazê-la em um futuro próximo. Gastos pessoais que estejam além do necessário também podem ser cortados.

Refeições fora de casa, por exemplo, podem ser substituídas com alimentos preparados em casa e levados para o trabalho. Além de mais econômico, também é mais saudável.

11. Atenção a possíveis descontos e facilidades

Se a aquisição é referente ao primeiro imóvel residencial, algumas cidades oferecem descontos nos registros cartorários por lei. Pesquise para saber se esse tipo de vantagem se aplica à sua compra.

No caso das mudanças, existe a possibilidade de terceirizar o empacotamento dos bens ou fazê-los por conta própria. Se o orçamento estiver apertado, essa pode ser uma boa economia.

Além disso, os dias da semana para mudança também podem ter cotações diferenciadas.

Pesquise qualquer possibilidade de desconto, inclusive para consumos do cotidiano familiar. É possível evitar o uso do carro nos dias da semana optando por ônibus e metrô e deixar para usá-los somente aos finais de semana.

Também é possível economizar com cupons de descontos nos supermercados e outros tipos de serviços.

Algumas economias, porém, podem sair caras. Buscar o financiamento de um bem diretamente com o banco por achar que as taxas são melhores pode gerar uma burocracia e dúvidas no processo que podem gerar retrabalho e custos com erros no processo.

Uma consultoria direto na imobiliária, como a oferecida pela Credipronto, permite ter acesso a boas taxas de financiamento imobiliário e ainda ao acompanhamento dos corretores.

E então, gostou destas dicas especiais para organizar finanças e comprar um imóvel? Compartilhe o post nas suas redes sociais para que outras pessoas também possam se aproximar do sonho da casa própria!

Acompanhe

Acompanhe as nossas redes sociais e fique por dentro das novidades.

[]
1 Step 1
keyboard_arrow_leftPrevious
Nextkeyboard_arrow_right
Faça uma simulação e financie até 82%